quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

TRABALHO DE BASE É UM REENCONTRAR O CAMINHO DE ORIGEM

Publicado na Página da Fetraf-SC - 03 de dezembro 2019


É preciso voltar... reencontrar o caminho de onde viemos. Ainda é tempo de rememorar nossos espíritos, visitar a pia de nosso batismo na luta, de beber nas palavras do poeta Thiago de Mello: ‘’Faz escuro, mas eu canto, porque a manhã vai chegar. Vem ver comigo, companheiro, a cor do mundo mudar. Vale a pena não dormir para esperar a cor do mundo mudar’’. - Urge-nos levantar: com olhos no mundo, no local, sem pontualidades dispersas e com transversalidades correlatas. É preciso entender que não há outra alternativa, é imprescindível reencontrar o caminho de nossas origens, guardado no tempo sob o nome de Trabalho de Base.

Faz-se necessário reencontrar o velho ‘corpo a corpo’, estender às mãos, olhar nos olhos, oferecer o ouvido, oportunizar a fala, queixas e as contradições – de outro modo, desapareceremos como silêncio, diluídos como categorias. É preciso reagrupar, promover um novo batismo de reinserção, nos reconverter ao caminho e identidade de classe trabalhadora, levantar das cinzas como uma Fênix subjugada pelo neoliberalismo, que ao nos individualizar, congelou-nos, imobilizando como energia da luta e organização. Novamente recorro ao poeta: ‘’Não importa que doa: é tempo de avançar de mão dada com quem vai no mesmo rumo... É tempo sobretudo de deixar de ser apenas a solitária vanguarda de nós mesmos. Se trata de ir ao encontro. Se trata de abrir o rumo. Os que virão, serão povo, e saber serão, lutando’’.

E porque deste apelo? – Porque assessorando a Fetraf Santa Catarina nos últimos anos, falar de organização e trabalho de base (para além da linda história) não é novidade. Fizemos pesquisa e diagnóstico na base para entender os desafios. Com os dados coletados passamos realizar atividades de formação, fomentamos processos de multiplicadores, planejamentos de ações em sindicatos, materiais de publicidade, curso para intervenções via diálogo, atividades de contato (corpo a corpo), momentos de troca de saberes com o mestre Ranulfo. Alguns resultados dizem onde e quem fez a experiência. O que reafirma a máxima: ‘A prática é o critério da verdade e a reflexão implica a ação’ – ou seja, embora no caminho, falta muito ainda. Principalmente, na compreensão da necessidade de livrar-se do burocratismo e comodismo que muitos dirigentes se prenderam. É preciso sair para encontrar a base, não esperar contribuições/dinheiro que não vão chegar se não associar o trabalhador.

Sempre que convidado para atividades de debate, reflexão, planejamento e proposição nos últimos anos, tenho por compromisso dizer que se não renovarmos, não só a mentalidade na linha de frente de parte do movimento sindical, extirpar vícios enraizado e aquele ‘profissionalismo’ de carreira incrustado nas entidades, veremos consolidada o que o filósofo Jean Baudrillard dizia: ‘’A imagem do homem sentado, contemplando num dia de greve geral sua tela de televisão vazia, constituirá no futuro uma das mais deprimentes imagens da antropologia de nosso século’’. – A não consolidação e naturalização desta realidade só é possível com um novo tempo de partida, de reencontro com a base de trabalhadores, oportunizando a participação, formação e reinserção na luta de classe – o sujeito de luta é o objeto da ação.

Mas não sair por sair, precisamos estudar a realidade, ler mais para nos inteirar, nos renovar, revigorar e ser capaz de admitir esta necessidade. Não se trata de revisionismo, e sim, de capacidade de recolocar-se no processo, ciente que em algum momento no caminho dos últimos anos nos perdemos. Que os trabalhadores tiveram suas vidas privatizadas, sua força de trabalho, sua hora de amar e seu direito de pensar como dissera Bertold Brecht. Reconquistar parte deste terreno perdido pelo avanço do capital, pela despolitização, diluição do sentido de classe exige esforço, tempo de reflexão e atitude para ações ousadas, sacrifícios, doação, compromisso e acima de tudo, humildade para reconhecer que certos limites não cabem na luta de classe – e aqui se necessário, abrir caminho para quem está disposto a assumir a linha de frente. Do contrário, não passaremos de multidões famintas e desorientadas em êxodo, massas despolitizadas, boiada sem rumo, praças vazias, meras pipetas do capital, matéria orgânica na diluição cósmica, memórias passageiras e vazias.

Um começo neste processo, passa pelo dirigente disposto a visitar referenciais como o roteiro de textos organizado pelo CEPIS e proposto no livro ‘Trabalho de Base’ compilados por Ranulfo Peloso para ‘Expressão Popular’ (na Fetraf tem exemplares a venda). Já trabalhei este roteiro em atividades de formação em muitos sindicatos e o referencio como bíblia de cabeceira de todo sindicalista comprometido, como instrumento importante de orientação para a organização e luta no movimento sindical. Não tenha medo de ler, pois um livro tem que ser machado a quebrar os gelos presentes em nós. Acima de tudo, é necessário rememorar que somos processo continuo de transformação e Karl Marx disse: ‘a prática é o único critério da verdade’. Ou seja, não há receita mágica para o trabalho de base, o melhor modo de fazer é fazendo – abra o livro, se encontre, se identifique, se sinta caminho e protagonismo.

E não esqueçamos: se Cuba que já fez uma revolução há mais de meio século segue fazendo formação sobre organização e trabalho de base, talvez isso nos sirva, senão de lição, como orientação. Do contrário, não é difícil acreditar no fim da história, do sujeito político e primazia da coisificação: eu, você, o mundo, reduzido a meras coisas.

Prof. Neuri Adilio Alves - Assessor de formação e elaboração na Fetraf-SC

quinta-feira, 24 de outubro de 2019

VAZIOS E SILÊNCIOS NA AGRICULTURA FAMILIAR

''Não temos apenas latifúndios de terra neste país, passamos a ter latifúndios de silêncios, de vazios existenciais e sentidos para a vida na área rural'' 


Estudar vazios é parte de meu trabalho há duas décadas. E o ponto de partida é o sentido da vida, as crises existenciais do século XX e início deste milênio. O cenário é assustador, pensar a vida a partir da segunda metade do século passado é uma mescla de assombro e ilusão – pois é reveladora às mudanças no tecido social e as desoladoras esperanças que nos foram servidas como receitas de viver. Assombro, porque descobrimo-nos mais frágeis e limitados embora o orgulho permanente – ilusão, porque sabemos que tudo o que fizermos é um adiar-se e que todo nosso esforço parece esfacelar-se nos interesses mundanos e materiais de outros. 

Embora as barbáries, os conflitos ceifando vidas, campos de extermínio revelando nossa insensibilidade em relação a vida. Costumo dizer que lembrar Hiroshima e Nagasaki não é apenas o findar de um conflito. Não é apenas uma memória da perversidade do ego, da mente humana com duas bombas atômicas devastando territórios, dizimando milhares de vida, comprometendo a saúde de gerações, inviabilizando sonhos, abrindo uma ferida que nunca deixou de sangrar e condenando uma geração inteira as consequências físicas, materiais e existenciais – a ‘Rosa de Hiroshima’: hereditária, sem perfume, radioativa, estúpida e inválida’ nunca mais fechou. 

É preciso olhar para estes fatos da história como mudanças de paradigmas no ocidente. Até ali tínhamos uma frágil certeza que morreríamos como indivíduos, aqueles dois artefatos nucleares não apenas revelaram ao mundo a capacidade de destruição e imposição de poder. As bombas desnudaram-nos para a compreensão, ali pariu a certeza que podemos desaparecer como espécie de um instante para outro. A partir de então, passamos a dialogar com a angustia diária de incertezas, embora pouco compreendida pela narcísica cultura ocidental, seja por disputas no campo das relações diplomáticas na geopolítica ou pela intencionalidade de um maluco qualquer, neste mundo de pouca sanidade. 

O século XX e sua lógica urbanista, narcísica e consumista nos dessacralizou de valores fundamentais, nos coisificou como engrenagem da produção, consumo e falsos sentidos. Nos secularizou como máquinas com prazo de validade e esvaziou-nos para o sentido da vida. Não há registro de outros momentos na história humana em que se desenvolveu, produziu-se tantas coisas para tornar nossas vidas mais cômodas, tranquila e supostamente mais feliz. De outro modo, isso revelou-se insuficiente, desnecessário e aporte de insatisfação. Pois, nunca antes na história os indivíduos experimentaram aos milhões o vazio existencial, as angustias de buscas não compreendidas, a ausência de um sentido e significado para a vida e o suicídio como fuga das dores existenciais – e então, assombrosamente compreendemos o que é morrer por dentro. Mas aí, a insensibilidade falsamente nos blindou, congelou-nos até o ponto de derretimento por nossas contradições e as brutalidades de nosso ser irracional – embora a racionalidade exacerbada seja parte deste todo! 

Mas tal experiência que parecia mais uma realidade vivida pelo sujeito urbano, exposto a lógica de um desenvolvimento supostamente moderno e fragilmente pós-moderno fragmentado, revelou-se antropológica e sociologicamente teia de expansão. E esta, tecida diariamente, expandida conforme a insaciável perversidade do sistema que nos individualizou, codificando-nos como número da produção e nos ‘coisificando’ como códigos de barras de valores e interesses transitórios, descartáveis. Ou seja, perdeu o valor se descarta – avançaria ainda mais. 

E este que parecia um paradigma de vida urbana moderna, chega ao campo no Brasil a partir da década de 1960 no pacote da Revolução Verde. No bojo da lógica produtivista em larga escala e para circuitos longos, o homem do campo em hegemônica maioria dos que não foram vítimas da expulsão via êxodo rural, passaram a ser desconstruídos, como sujeitos de vida comunitária, social e existencial para se torna engrenagem da balança comercial. 

Meio século depois aqui estou, primeiro como observador, segundo como provocador de novas leituras para o campo e por último, ensaísta pesquisador dos ‘Vazios Existenciais’ na agricultura familiar – ou seja, agora sei que não temos apenas latifúndios de terra neste país, passamos a ter latifúndios de silêncios, de vazios existenciais e sentidos para a vida na área rural. Há milhares de agricultores e agricultoras morrendo de silêncio enquanto ensaio escrever este artigo – mas como diz a letra da música ‘Notícia de Jornal’ cantada por Chico Buarque: ‘’A dor da gente não sai no jornal’’ – e complemento dizendo: as dores existenciais menos ainda. 

É preciso ouvir este silêncio que grita – provindo do seio das propriedades. Pois, os camponeses cotados a desaparecer, mas que por característica culturais e sociais não desapareceram em virtude da produção subsistente e diversificada, quase uma subversão a monocultura, passam agora viver com a angustia de uma vida vazia de sentido, significado. Uma existência pulverizada de angustias, stress, depressão, silêncio nas relações comunitárias, sociais, e a pior das realidades – conviver com o suicídio como remédio as ansiedades de uma vida imersa na lógica da produção para balança comercial e o consumo como batismo e salvação existencial. 

Faz-se necessário devolver não só a liberdade do homem do campo expropriada pela lógica impositiva de produzir, não o que se quer, mas o que o sistema determina. É preciso devolver-lhes o espaço da propriedade como direito de decidir sobre o que é seu. É preciso devolver a cuia de chimarrão, da celebração da vida, da convivência que lhe foram tiradas como instrumento da confraternização. Devolver-lhes o direito de sentar-se à sombra se cansado o corpo estiver, o direito de visitar a casa do vizinho mais próximo sem se sentir ameaçado pelo técnico dos pacotes tecnológicos. 

É preciso devolver o direito ao convívio da vida comunitária, o direito de dormir sem o peso das preocupações com o banco que lhes ameaça pelo crédito acessado. É preciso preencher os vazios de infelicidades com a dignidade que lhes foi expropriada – e acima de tudo, ressignificar o sentido da vida com as sensibilidades saqueadas. Mais que sustentabilidade no campo é preciso felicidade. Sem isso, não haverá colheitas significativas!

Artigo Publicado no Site:
http://fetrafsc.org.br/home/


Prof. Neuri Adilio Alves  - Filósofo pesquisador, Trabalha com Educação Popular, é Assessor de Formação e Elaboração na Fetraf Santa Catarina

terça-feira, 5 de março de 2019

A ARTE SERVE PARA IMPACTAR


Quando não basta o falar, escrever e desenhar, que ao menos a arte nos provoque a refletir. E que bom se o desfile temático da escola Gaviões da Fiel tenha sido ponto impactante nesta era gélida do sapiens pensante. Principalmente sobre aqueles fervorosos que dizem não assistir, frequentar, curtir espaços de profanação e que ao seu modo entendem como vilipêndio ao sagrado, pois em certa medida a escola faz um retrato da sociedade atual. Geralmente, a negação mais ampla é feita por aqueles que veem seus negócios da fé ameaçados, ou por aqueles que falta a luz da compreensão mais ampla. Esta, muitas vezes aprisionada por estúpidas pregações em espaços doutrinários por aqueles que fazem da mentira a arte do convencimento através do medo, fracassos da vida cotidiana, ignorância assumida ou circunstancial, e mesmo na/por fragilidade da fé de outrem – em parte, a alma do lucrativo negócio. 

Um dos horrores deste tempo é a sapiência aprisionada, roubada por coletores de dízimo e suas verdades deturpadas, tão presente no Brasil atual. Realidade desconcertante que destrói estruturas democráticas do Estado e divide classes de miseráveis e miserandos. Enquanto isso, ‘satanás’ imponente brinda champanhe no alto poder político, em altares com cofrinho de donativos e suas segmentadas centopeias bebem o sangue de cativos doutrinados como se fossem seus desiguais. E aí, ao sentirem-se ameaçados pela arte que os desnuda, reagem com o clichê da mera profanação - não é a verdade que dói, mas a resistência e ameaça que ela causa. Isso me faz lembrar de um ponto na história recente, quando o filósofo Nietzsche escandalizou o mundo cristão com o aforismo: 'Deus está morto' – e não era uma questão de petulância, era sim, provocação sobre o mundo real - ou na síntese do coloquial por aí: o filósofo 'lacrou' – mas a grande maioria não o entendeu ou preferiu não entender-lhes, pois seria mais fácil e lucrativo lhes acusar de um arrogante ateu em delírio! 

De igual modo, também o enredo ‘lacrou’ e restando dúvidas, substitua a imagem cênica do personagem ao solo (derrotado) por imagens deste Brasil real: uma vereadora fuzilada ainda sem justiça. Milhares de mulheres assassinadas, agredidas, violentadas diariamente; Negros, índios, homossexuais enxovalhados, exilados e mortos; Milhares de Marias, Josés e Jesus sem teto perambulam pelas ruas; Juízes em apologia pública a injustiças; Socialites, juristas e pequenos instruídos comemorando a morte de uma criança de 7 anos (sem importar-se com o vinde a mim as criancinhas – embora seu mantra ‘Deus acima de todos’) e aplausos ao Barrabás. Some-se a isso, a mentira como patrimônio de verdade aos que negam a justiça e o bem maior, em prol de promíscuos interesses pessoais, grupos, setores, mesmo sem explicação e compreensão a si mesmos - não é o fim, mas chegamos na barbárie! 

É este o mundo que Jesus defendeu e queria aos seus? Se não é, então ao invés de comoções midiáticas com a metáfora do derrotado é preciso ser capaz de defender o seu igual como grande preceito constante na máxima: 'no seu semelhante à minha imagem'. – Ou seja, atacar seu semelhante é atacar o seu ente sagrado e superior. Por fim, que ao menos o profano nos devolva a capacidade de refletir, nos impactar e libertar. Pois, se ao filósofo e ao enredo há um ente superior vitimado, é sinal que a sua imagem e semelhança neste mundo está doente - o bem não é este propalado bem maior e muito menos o mal a justa medida servida como bem no Brasil atual. 

Por Neuri Adilio Alves




segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

O MISTERIOSO DESTINO DE CADA UM

Publicado em 13/01/2019 (em sua página)

''Qual é o meu destino? Não sei. Tomei como lema que era do meu pai que o vivia:”quem não vive para servir, não serve para viver”. A Deus a última palavra.''

Cada um de nós tem a idade do universo que é de 13,7 bilhões de anos. Todos estávamos virtualmente juntos naquele pontozinho, menor que a cabeça de um alfinete, mas repleto de energia e de matéria. Ocorreu a grande explosão e gerou as enormes estrelas vermelhas dentro das quais se formaram todos os elementos físico-químicos que compõem todos os seres do universo e também o nosso. Somos filhos e filhas das estrelas e do pó cósmico. Somos também a porção da Terra viva que chegou a sentir, a pensar, a amar e a venerar. Por nós a Terra e o universo sentem que formam um grande Todo. E nós podemos desenvolver a consciência desse pertencimento.

Qual é o nosso lugar dentro desse Todo? Mais imediatamente, dentro do processo de evolução? Dentro da Mãe Terra? Dentro da história humana? Não nos é dado saber ainda. Talvez será a grande revelação quando fizermos a passagem alquímica deste para o outro lado da vida. Ai, espero, tudo fica claro e nos surpreenderemos porque todos somos umbilicalmente inter-relacionados, formando a imensa cadeia dos seres e a teia da vida. Cairemos, assim creio, nos braços de Deus-Pai–e-Mãe de infinita misericórdia para quem precisa dela por causa de suas maldades e um abraço amoroso eterno para os que se orientaram pelo bem e pelo amor. Depois de passarem pela clínica de Deus-misericórdia, os outros também virão.

Eu de criança de poucos meses estava condenado a morrer. Conta minha mãe e as tias sempre o repetiam, que eu tinha “o macaquinho”, expressão popular para anemia profunda. Tudo que ingeria, vomitava. Todos diziam em dialeto vêneto: ”poareto, va morir”: “pobrezinho, vai morrer”.

Minha mãe, desesperada e escondida de meu pai que não acreditava em benzimentos, foi à benzedeira, à velha Campanhola. Ela fez as suas rezas e lhe disse: “dê um banho com essas ervas; depois de fazer o pão no forno, espere até ficar morno e coloque seu filhinho lá dentro”. Foi o que fez minha mãe Regina. Sobre a pá de retirar o pão cozido, me colocou lá dentro. Deixou-me, aí por um bom tempo.

Eis que ocorreu uma transformação. Ao me retirar do forno, comecei a chorar, diziam, e a procurar logo o seio para sugar o leite materno. Depois, minha mãe, mastigava em sua boca as comidinhas mais fortes e me dava. Comecei a comer e a me fortalecer. Sobrevivi. Estou aqui oficialmente velho com 80 anos. Há aí algum destino? Só o Supremo o sabe.

Passei por vários riscos que poderiam ter custado minha vida: um avião DC-10 em chamas rumo a Nova York; um acidente de carro contra um cavalo morto na pista que me quebrou todo; um enorme prego que caiu na minha frente, quando estudava em Munique e poderia ter-me matado se tivesse caído sobre a minha cabeça; Nos Alpes, a queda num vale profundo coberto de neve e camponeses bávaros, me vendo com o hábito escuro, me afundando cada vez mais, me retiraram com uma corda. E outros.

Norberto Bobbio me concedeu o doutor honoris causa em política pela Universidade de Turim. Entendeu que a teologia da libertação dera uma contribuição importante ao afirmar a força histórica dos pobres. É insuficiente o assistencialismo clássico ou a mera solidariedade mantendo os pobres sempre dependentes. Eles podem ser sujeitos de sua libertação, quando conscientizados e organizados. Superamos o para os pobres, insistimos no caminhar com os pobres, sendo eles os protagonistas e quem puder e tiver esse carisma, viver como os pobres como tantos fizeram, como Dom Pedro Casaldáliga.

Lembro-me que comecei meu discurso de agradecimento ao título, concedido por essa notável figura que é Norberto Bobbio: “venho da pedra lascada, do fundo da história, quando mal e mal tínhamos meios para a sobrevivência. Meus avós italianos e minha família, desbravaram uma região desabitada e coberta de pinheirais, Concórdia nos confins de Santa Catarina. Eles tiveram que lutar para sobreviver. Muitos morreram por falta de médicos. Depois fui subindo na escala da evolução: os 11 irmãos estudaram, fizeram a universidade, eu pude me formar na Alemanha. Agora estou aqui nessa famosa universidade”.

A pedido de Bobbio, fiz um resumo dos propósitos da Teologia da Libertação que tem como eixo central, a opção pelos pobres contra a pobreza e a favor da justiça social. Dei muitos cursos por esse mundo afora, escrevi bastante, enxuguei lágrimas e mantive forte esperança de militantes que se frustravam com os rumos de nosso país.

Qual é o meu destino? Não sei. Tomei como lema que era do meu pai que o vivia:”quem não vive para servir, não serve para viver”. A Deus a última palavra.

Leonardo Boff é teólogo, filósofo e escreveu por seus 80 anos: “Reflexões de um velho teólogo e pensador”, Vozes 2019.