terça-feira, 5 de março de 2019

A ARTE SERVE PARA IMPACTAR


Quando não basta o falar, escrever e desenhar, que ao menos a arte nos provoque a refletir. E que bom se o desfile temático da escola Gaviões da Fiel tenha sido ponto impactante nesta era gélida do sapiens pensante. Principalmente sobre aqueles fervorosos que dizem não assistir, frequentar, curtir espaços de profanação e que ao seu modo entendem como vilipêndio ao sagrado, pois em certa medida a escola faz um retrato da sociedade atual. Geralmente, a negação mais ampla é feita por aqueles que veem seus negócios da fé ameaçados, ou por aqueles que falta a luz da compreensão mais ampla. Esta, muitas vezes aprisionada por estúpidas pregações em espaços doutrinários por aqueles que fazem da mentira a arte do convencimento através do medo, fracassos da vida cotidiana, ignorância assumida ou circunstancial, e mesmo na/por fragilidade da fé de outrem – em parte, a alma do lucrativo negócio. 

Um dos horrores deste tempo é a sapiência aprisionada, roubada por coletores de dízimo e suas verdades deturpadas, tão presente no Brasil atual. Realidade desconcertante que destrói estruturas democráticas do Estado e divide classes de miseráveis e miserandos. Enquanto isso, ‘satanás’ imponente brinda champanhe no alto poder político, em altares com cofrinho de donativos e suas segmentadas centopeias bebem o sangue de cativos doutrinados como se fossem seus desiguais. E aí, ao sentirem-se ameaçados pela arte que os desnuda, reagem com o clichê da mera profanação - não é a verdade que dói, mas a resistência e ameaça que ela causa. Isso me faz lembrar de um ponto na história recente, quando o filósofo Nietzsche escandalizou o mundo cristão com o aforismo: 'Deus está morto' – e não era uma questão de petulância, era sim, provocação sobre o mundo real - ou na síntese do coloquial por aí: o filósofo 'lacrou' – mas a grande maioria não o entendeu ou preferiu não entender-lhes, pois seria mais fácil e lucrativo lhes acusar de um arrogante ateu em delírio! 

De igual modo, também o enredo ‘lacrou’ e restando dúvidas, substitua a imagem cênica do personagem ao solo (derrotado) por imagens deste Brasil real: uma vereadora fuzilada ainda sem justiça. Milhares de mulheres assassinadas, agredidas, violentadas diariamente; Negros, índios, homossexuais enxovalhados, exilados e mortos; Milhares de Marias, Josés e Jesus sem teto perambulam pelas ruas; Juízes em apologia pública a injustiças; Socialites, juristas e pequenos instruídos comemorando a morte de uma criança de 7 anos (sem importar-se com o vinde a mim as criancinhas – embora seu mantra ‘Deus acima de todos’) e aplausos ao Barrabás. Some-se a isso, a mentira como patrimônio de verdade aos que negam a justiça e o bem maior, em prol de promíscuos interesses pessoais, grupos, setores, mesmo sem explicação e compreensão a si mesmos - não é o fim, mas chegamos na barbárie! 

É este o mundo que Jesus defendeu e queria aos seus? Se não é, então ao invés de comoções midiáticas com a metáfora do derrotado é preciso ser capaz de defender o seu igual como grande preceito constante na máxima: 'no seu semelhante à minha imagem'. – Ou seja, atacar seu semelhante é atacar o seu ente sagrado e superior. Por fim, que ao menos o profano nos devolva a capacidade de refletir, nos impactar e libertar. Pois, se ao filósofo e ao enredo há um ente superior vitimado, é sinal que a sua imagem e semelhança neste mundo está doente - o bem não é este propalado bem maior e muito menos o mal a justa medida servida como bem no Brasil atual. 

Por Neuri Adilio Alves




segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

O MISTERIOSO DESTINO DE CADA UM

Publicado em 13/01/2019 (em sua página)

''Qual é o meu destino? Não sei. Tomei como lema que era do meu pai que o vivia:”quem não vive para servir, não serve para viver”. A Deus a última palavra.''

Cada um de nós tem a idade do universo que é de 13,7 bilhões de anos. Todos estávamos virtualmente juntos naquele pontozinho, menor que a cabeça de um alfinete, mas repleto de energia e de matéria. Ocorreu a grande explosão e gerou as enormes estrelas vermelhas dentro das quais se formaram todos os elementos físico-químicos que compõem todos os seres do universo e também o nosso. Somos filhos e filhas das estrelas e do pó cósmico. Somos também a porção da Terra viva que chegou a sentir, a pensar, a amar e a venerar. Por nós a Terra e o universo sentem que formam um grande Todo. E nós podemos desenvolver a consciência desse pertencimento.

Qual é o nosso lugar dentro desse Todo? Mais imediatamente, dentro do processo de evolução? Dentro da Mãe Terra? Dentro da história humana? Não nos é dado saber ainda. Talvez será a grande revelação quando fizermos a passagem alquímica deste para o outro lado da vida. Ai, espero, tudo fica claro e nos surpreenderemos porque todos somos umbilicalmente inter-relacionados, formando a imensa cadeia dos seres e a teia da vida. Cairemos, assim creio, nos braços de Deus-Pai–e-Mãe de infinita misericórdia para quem precisa dela por causa de suas maldades e um abraço amoroso eterno para os que se orientaram pelo bem e pelo amor. Depois de passarem pela clínica de Deus-misericórdia, os outros também virão.

Eu de criança de poucos meses estava condenado a morrer. Conta minha mãe e as tias sempre o repetiam, que eu tinha “o macaquinho”, expressão popular para anemia profunda. Tudo que ingeria, vomitava. Todos diziam em dialeto vêneto: ”poareto, va morir”: “pobrezinho, vai morrer”.

Minha mãe, desesperada e escondida de meu pai que não acreditava em benzimentos, foi à benzedeira, à velha Campanhola. Ela fez as suas rezas e lhe disse: “dê um banho com essas ervas; depois de fazer o pão no forno, espere até ficar morno e coloque seu filhinho lá dentro”. Foi o que fez minha mãe Regina. Sobre a pá de retirar o pão cozido, me colocou lá dentro. Deixou-me, aí por um bom tempo.

Eis que ocorreu uma transformação. Ao me retirar do forno, comecei a chorar, diziam, e a procurar logo o seio para sugar o leite materno. Depois, minha mãe, mastigava em sua boca as comidinhas mais fortes e me dava. Comecei a comer e a me fortalecer. Sobrevivi. Estou aqui oficialmente velho com 80 anos. Há aí algum destino? Só o Supremo o sabe.

Passei por vários riscos que poderiam ter custado minha vida: um avião DC-10 em chamas rumo a Nova York; um acidente de carro contra um cavalo morto na pista que me quebrou todo; um enorme prego que caiu na minha frente, quando estudava em Munique e poderia ter-me matado se tivesse caído sobre a minha cabeça; Nos Alpes, a queda num vale profundo coberto de neve e camponeses bávaros, me vendo com o hábito escuro, me afundando cada vez mais, me retiraram com uma corda. E outros.

Norberto Bobbio me concedeu o doutor honoris causa em política pela Universidade de Turim. Entendeu que a teologia da libertação dera uma contribuição importante ao afirmar a força histórica dos pobres. É insuficiente o assistencialismo clássico ou a mera solidariedade mantendo os pobres sempre dependentes. Eles podem ser sujeitos de sua libertação, quando conscientizados e organizados. Superamos o para os pobres, insistimos no caminhar com os pobres, sendo eles os protagonistas e quem puder e tiver esse carisma, viver como os pobres como tantos fizeram, como Dom Pedro Casaldáliga.

Lembro-me que comecei meu discurso de agradecimento ao título, concedido por essa notável figura que é Norberto Bobbio: “venho da pedra lascada, do fundo da história, quando mal e mal tínhamos meios para a sobrevivência. Meus avós italianos e minha família, desbravaram uma região desabitada e coberta de pinheirais, Concórdia nos confins de Santa Catarina. Eles tiveram que lutar para sobreviver. Muitos morreram por falta de médicos. Depois fui subindo na escala da evolução: os 11 irmãos estudaram, fizeram a universidade, eu pude me formar na Alemanha. Agora estou aqui nessa famosa universidade”.

A pedido de Bobbio, fiz um resumo dos propósitos da Teologia da Libertação que tem como eixo central, a opção pelos pobres contra a pobreza e a favor da justiça social. Dei muitos cursos por esse mundo afora, escrevi bastante, enxuguei lágrimas e mantive forte esperança de militantes que se frustravam com os rumos de nosso país.

Qual é o meu destino? Não sei. Tomei como lema que era do meu pai que o vivia:”quem não vive para servir, não serve para viver”. A Deus a última palavra.

Leonardo Boff é teólogo, filósofo e escreveu por seus 80 anos: “Reflexões de um velho teólogo e pensador”, Vozes 2019.